terça-feira, 21 de novembro de 2017

Caixinha de música

Um segundo
Do seu olhar profundo
Foi o que precisou
Pra me salvar de onde eu estava
E a perceber coisas belas
Que eu não cultivava mais em mim
Eu não me permitia mais
Eu voltei a cantar

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

domingo, 19 de novembro de 2017

Você vai me destruir

Pensando em te matar de amor ou de dor eu te espero calada.

Pedido de Casamento


Eu sei que a gente ia ser feliz juntinho
Pra todo dia dividir carinho
Tenho certeza de que daria certo
Eu e você, você e eu por perto

Eu só queria ter o nosso cantinho
Meu corpo junto ao seu mais um pouquinho
Tenho certeza de que daria certo
Nós dois sozinhos num lugar deserto

Se você não quiser
Me viro como der
Mas se quiser me diga, por favor
Pois se você quiser
Me viro como for
Para que seja bom como já é

Eu sei que eu ia te fazer feliz
Dos pés até a ponta do nariz
Da beira da orelha ao fim do mundo
Sugando o sangue de cada segundo

Te dou um filho, te componho um hino
O que você quiser saber eu ensino
Te dou amor enquanto eu te amar
Prometo te deixar quando acabar

Se você não quiser
Me viro como der
Mas se quiser me diga, meu amor
Pois se você quiser
Me viro como for
Para que seja bom como já é

sábado, 28 de outubro de 2017

Arsenal de ilusões

Outra vez
Um arsenal de ilusões
Você deixou em minha mente
Se aproveitando de um momento em que eu estava tão carente
Atravessou minhas barreiras e chegou ao coração

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Amado

Sinto que você é ligado a mim
Sempre que estou indo, você volta atrás
Estou entregue a ponto de estar sempre só
Esperando um sim ou nunca mais

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

O tal casal

Depois que o mau tempo foi
Eu vi você chegando
Trazia o rosto doce, bom,
E aliviado
Nada mais incerto
Passava também um tempo
Voltávamos a ser então o tal casal,
Apaixonado, apaixonado

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Sete

Os teus questionamentos me ajudaram a refletir sobre minha vida de maneira positiva, e estou tomando algumas decisões importantes, por isto em alguns momentos preciso do "helicóptero". Não se afaste de mim! Preciso de você!
Bem, a minha terça continua sendo tua...

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Trabalivre

Um dia minha mãe me disse
Você já é grande, tem que trabalhar
Naquele instante aproveitei a chance
Vi que eu era livre para me virar
Fiz minha mala, comprei a passagem
O tempo passou depressa e eu aqui cheguei
Passei por tudo que é dificuldade
Me perdi pela cidade mas já me encontrei

Doidice

Esse nosso amor é uma doidice
Tem até disse-me-disse
Mas não vai nos separar
A gente transa sem pudor e sem censura
E o calor dessa loucura é que me faz sonhar

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Janeiro

É que tu tem asas nos pés e me faz querer voar também...

[Anavitória]

Arsenal de Ilusões

Você é meu segredo, é a pessoa especial que eu queria ter comigo no final...por impossível que pareça, pode acreditar.

[Dhi Ribeiro]

segunda-feira, 27 de março de 2017

Quase um segundo

Às vezes te odeio por quase um segundo
Depois te amo mais
Teus pelos, teu gosto, teu rosto, tudo
Tudo que não me deixa em paz

domingo, 5 de fevereiro de 2017

A sós

Hoje eu fiz do teu corpo uma ponte
Pra eu me jogar
Pra me perder, fantasiar
A sós no teu olhar
Toda fúria se converte em luz

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Boato

Dizem que fugi até pra nunca mais
Mas voltei sorridente, cantei até demais
Dizem por aí que ando com álcool a me envenenar
Mas é que existem coisas aqui em mim que preciso matar.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Coração das Trevas

O sol mergulhou logo abaixo, e de um branco radiante transformou-se em um vermelho desbotado, sem raios e sem calor, como se estivesse pronto para desaparecer de repente, tocado de morte pela garra daquela escuridão.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Proporcional

Visto GG, você P. Você P, eu GG
Visto GG, você P. Você P, eu GG
Medida, forma, direção
Proporcional aos fatos
Gostar assim sem previsão
É normal nesse caso
Aconteceu de caber
Coube em mim. Coube em você
Calhou de encaixar legal
Envergadura, estatura, peso e tal
Visto GG, você P.

domingo, 29 de janeiro de 2017

A escolha

- O mundo despedaça a todos, Travis. O muito bom, o muito gentil, o muito corajoso. E aqueles que não despedaça, ele mata.

sábado, 28 de janeiro de 2017

Você ainda pensa?

Quando você saiu por aquela porta
Me vi diante do espelho, perplexa, exposta
E clamei aos deuses para lhe arrebatarem com a minha dor
Fiz da noite a minha morada
Mil homens amei, bebi a madrugada
Até você retornar com os olhos cheios de mágoas e o seu clamor

Saga

Mas, de repente, uma farpa meio intrusa
Veio cegar minha emoção de suspirar
Se eu soubesse que o amor é coisa assim
Não pegava, não bebia, não deixava embebedar

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Depois eu soube, por seu Ladislau, que apesar da minha promessa o Portuga só foi para casa depois que o Mangaratiba passou de volta. Bem tarde da noite.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

— Sabe, eles nunca dormiram juntos — sussurrou Tess, segurando a porta de tela com uma das mãos e o cotovelo da mãe com a outra. 
— Sério? — perguntou Lucy. — Que interessante. No meu tempo, infidelidade era uma coisa muito mais obscena.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Capitu

Capitu
A ressaca dos mares
A sereia do sul
Captando os olhares
Nosso totem tabu
A mulher em milhares
Capitu

quinta-feira, 19 de maio de 2016

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Aquilo que nos fere é aquilo que nos cura. A vida tem sido muito dura comigo, mas ao mesmo tempo tem me ensinado muita coisa.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Me sinto ótima!

Eu gosto do gosto da coragem
A melhor viagem é seguir a trilha que eu abri
Eu me achei no colo do meu par
A melhor parte de mim eu acabei de descobrir
E se perguntarem de mim, diga que eu estou ótima!

terça-feira, 26 de abril de 2016

E como não dizer que essa calmaria no peito são as mãos de Deus sobre a minha cabeça?

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Se eu tivesse tomado um atalho, uma rua estreita qualquer, que tipo de pessoa eu teria me tornado? Não sei. Mas gostaria muito de saber. Pelo retrovisor, vejo todas as pessoas que eu poderia ter sido e não fui.

E porque o mundo, apesar de redondo, tem muitas esquinas.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Silêncio...e outros foras

O silêncio é também uma resposta. Uma resposta assombrosa, dolorosa, aterrorizadora. Uma resposta que aguça seus medos e monstros. Uma resposta impossível de não ser ouvida. Kafka sabia muito bem disso. O brilhante e atormentado escritor subverte e engrandece o lindo episódio do ‘canto das sereias’ na “Odisseia”. Segundo Homero, Ulisses é advertido que o poderoso e sedutor canto das sereias levaria todos à morte. Ele então ordena que o amarrem ao mastro, que não o soltem sob hipótese alguma, e também obriga toda tripulação que passe cera nos ouvidos, impossibilitando que o irresistível canto fosse ouvido. O herói esbraveja, enlouquece, vocifera, mas, ao fim, por estar completamente atado, vence as abomináveis sereias. Mas Kafka é muito mais arguto que Homero e Ulisses. Ele sugere que nada disso de fato aconteceu. Que o nosso grande herói também colocara cera em seus ouvidos. E que por mais glorioso e destemido que fosse, não resistiria jamais aos encantos dessas sereias. Elas, belas e engenhosas, sabendo da prestigiosa visita, resolveram naquele dia, justamente, não cantar. Não cantaram porque sabiam que o canto, por mais maravilhoso que fosse, poderia ser rechaçado com artimanhas das quais Ulisses era o grande mestre. Elas sabiam que o silêncio, o estrondoso silêncio, jamais, em época alguma, deixaria de ser ouvido. Ulisses, na verdade, foi vencido pela sedução do silêncio.

Ando distribuindo palavras e colhendo silêncios. Silêncios profissionais, pessoais, galácticos. O universo definitivamente não conspira para quem responde rapidamente todas as mensagens. Para quem está disponível na maioria do tempo. Para quem não sabe esperar. Eu sei que o desejo é diretamente proporcional à falta. O mistério, proporcional ao interesse. A incerteza, proporcional à recompensa. E que o silêncio é, sem dúvida, o mestre maior do desejo, do mistério, da incerteza. Em tempos de respostas instantâneas, não cantar é se fazer ouvir. É atormentar, iludir, encantar. Seria necessário romantizar as palavras. Saboreá-las. Engrandecê-las. Torná-las interessantes, recompensadoras, imprescindíveis. Guardá-las, com carinho, deixando-as germinar em um silêncio respeitoso para enfim reponde-las… e ser, de fato e finalmente ouvido e desejado.

[Jacques Fux]

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Deve ter sido eu

Eu já não amo mais você
Mas eu ainda odeio essa menina
Eu não sei mais a placa do seu carro
Eu não me lembro do seu cheiro
Mas eu sei que numa tarde fatídica
Se ela de repente tropeçar na Joana Angélica
E todo mundo em volta gargalhar
Como é patética se ela implorar aos céus em vão
Pra entrar dentro do chão
Deve ter sido eu

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Descansar

Eu quero descansar no teu peito
O cansaço dessa vida
E o peso de ter que ser alguém
Eu já não sei o que faço meu bem
Nem o que farei

[Canto Dos Malditos Na Terra do Nunca]

Deve ter sido eu

Eu já não amo mais você
Mas eu ainda odeio essa menina
Eu não sei mais se o seu aniversário era mesmo em fevereiro
Mas eu sei que se num dia bucólico
Ela se arruma e sai sob um sol fantástico
E eis que sobre ela cai um raio histórico
Que divide o corpo dela em dois
E sobra o pó depois
Deve ter sido Deus

[Clarice Falcão]
Era por isso que, se você valorizava seu casamento, devia fazer uma barricada em torno de si mesmo, dos seus sentimentos e pensamentos. Não deixar seu olhar se demorar. Não ficar para um segundo drinque. Manter o flerte na zona de segurança. Não se aventurar.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

...o adultério não é nada simples. O conflito entre o desejo e o medo de transgredir é doloroso. Mas reprimir os verdadeiros desejos não significa eliminá-los.

quarta-feira, 23 de março de 2016

Carta para um P. A.

João,

vamos trepar. Esquece aquela história de amor. Vamos fingir que nunca aconteceu. Que nunca me despi em lágrimas infantis na tua frente – um pouco por culpa da cerveja que nunca consumi com recato e muito por culpa sua que não me amava e me botava numa depressão desgraçada. Agora é diferente, quero sexo porque quero. Logo, imagino que pra você deva ser mais automático não ter de se preocupar com mimimis by me durante as próximas semanas, se responde ou não às minhas tentativas de prolongar uma comunicação fakemente despretensiosa, que a você melhor parecia serem ignoradas. Eu perdoo a sua indelicadeza. Agora, a coisa é como é: uma metidinha. Sem planejar secretamente o casamento que não daria certo mesmo que nos esforçássemos. A gente não se encaixaria. Sou boa demais e você livre demais. Entende? Não precisa pensar. Só abaixar essa calça jeans com o zíper emperrado – ainda, João! –, misturado com o sorriso não-sei-como-isso-foi-acontecer, como naquelas metades de noites em que a sua mão achava a minha cintura por baixo do vestido sem que eu percebesse que estava com a calcinha exposta para rua mais suja de São Paulo. Aquilo é noite das mais honestas, João. A caricatura de nós dois: amnésia, impulso e sacanagem. Obrigada e que se foda, João. Eu nem pensava direito quando você tava, então não me julgue. Continuo me distribuindo como uma santa do caralho porque você não conta. Era como estar dopada. Mas agora não tem mais isso, tá? Quero só essa tua mão grande encostando na minha perna meio sem querer na frente do garçom, enquanto eu finjo que calma-não-é-bem-assim, antes de terminarmos o programa molhados de tanto, você sabe. Não preciso dizer, porque você sabe. Por que você não me amou, heim? Ia me poupar uma grana de terapia e pizza. Bom, esquece, agora já foi, passou, meu coração não é mais teu, é do mundo, é meu. Vamos trepar naquela sua cama, em que eu duvido que você troque o lençol toda semana, mas que é grande, maior do que a minha, e que me faz sentir um pouco rainha toda vez que me deito por lá. Mas antes, abre aquela latinha de cerveja que você substitui toda semana porque não consegue ficar sem. Me dá um pouco dela e mais da sua atenção descontrolada que me rodeia sem pause, como se a sua vida dependesse de mim, ainda de pé na tua frente. E me cerca com esse abraço amortecido de quem mente amor sem remorso. Tá tudo certo. É só o que eu quero hoje. Nada muito profundo, nem conclusivo. Você. Sua performance garantindo felicidade, rebolando em cima do meu descontrole amordaçado por uma camiseta que achei jogada no chão. Um tapa na bunda do meu desejo, tá, João. Assim, bem descarado e forte. Cospe na minha cara tua paixão devota que prometo esquecer depois de alcançada a meta. Vou simular que nunca teve tato entre a gente. E vou gozar na tua cara: obrigada por não me amar. Era exatamente do que eu precisava.

[Priscila Nicolielo]

sábado, 12 de março de 2016

Eu sorri cheio de dor, mas dentro daquela dor tinha acabado de descobrir uma coisa importante. O Português tinha se tornado agora a pessoa que eu queria mais bem no mundo.

quarta-feira, 2 de março de 2016

Era por isso que o sexo com Connor tinha sido tão bom: porque eram praticamente estranhos. Ele era novidade. Isso fez tudo — seus corpos, suas personalidades, seus sentimentos — parecerem mais bem definidos e, em consequência, melhores. Não tinha lógica, mas, quanto mais se conhecia alguém, menos nítida essa pessoa ficava. O acúmulo de informações a fazia desaparecer. Era mais interessante imaginar se alguém gostava ou não de música country do que saber a resposta.

terça-feira, 1 de março de 2016

E então os anos se passaram, camadas e mais camadas de tempo empilhadas em cima da lembrança do que ele fizera.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

sábado, 20 de fevereiro de 2016

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

— Não havia nada de errado com nosso casamento, havia? — perguntou ela. — Nós não brigamos. Estávamos no meio da quinta temporada de Dexter! Como você poderia se separar de mim no meio da quinta temporada?

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Olá. Queria dizer algo.

Bem, eu não sei o que levou você a não me dar resposta ou ter sido, nos dias anteriores às férias, tão indiferente, tão formal...grosseiro até. Acredito que você tenha os seus motivos. Mas independente de qualquer um deles, eu reafirmo a você que o que tenho por ti, acima de qualquer outra coisa, é respeito. Eu disse também que, qualquer que fosse a tua resposta, eu entenderia; mas a resposta não veio e isso, por si só, foi resposta suficiente. Mas, você deve ter percebido que sou uma mulher de palavra, e de palavras também, e por isso eu quis escrever para você uma vez mais. Para que você saiba que meu carinho e amizade por você permanecem, e que não vejo razão alguma para que a maneira que tratamos um ao outro se modifique. Você continua sendo aquela pessoa inteligente e perspicaz que eu tenho prazer de manter no círculo de colegas mais próximos. Espero que continue assim. Bem, era isso. E obrigada. (Tenho um amigo que diz que tudo de bom deve ser agradecido, principalmente carinho.) Então, obrigada novamente. Era só o que eu precisava dizer.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Meu aniversário

Hoje é meu aniversário
Corpo cheio de esperança
Uma eterna criança, meu bem
Hoje é meu aniversário
Quero só noticia boa
Também daquela pessoa, oba.

Hoje eu escolhi passar o dia cantando
De hoje em diante
Eu juro felicidade a mim
Na saúde, na saúde, juventude, na velhice
Vou pelos caminhos brandos
A minha proposta é boa, eu sei
De hoje em diante tudo se descomplicará
Com um nariz de palhaço
Rirei de tudo que me fazia chorar
Cercada de bons amigos me protegerei
Numa mão bombons e sonhos
Na outra abraços e parabéns.

Hoje é meu aniversário
Corpo cheio de esperança
Uma eterna criança, meu bem
Hoje é meu aniversário
Quero só noticia boa
Também daquela pessoa, oba.

Quero paparicações no meu dia, por favor
Brigadeiros, mantras, músicas
Gente vibrando a favor
Vamos planejar um belo futuro pra logo mais
Dançar a noite toda
Fela Kuti, Benjor e Clara

Hoje é meu aniversário
Corpo cheio de esperança
Uma eterna criança, meu bem
Hoje é meu aniversário
Quero só noticia boa
Também daquela pessoa, oba.

Parabéns, Bianca!
Parabéns, Felipe!
Parabéns, Micael!
Parabéns, Mateus!
Parabéns, Artur!
Parabéns, Luisa!
Parabéns, eu! Parabéns, eu!

Parabéns, Brendon!
Parabéns, Guiga!
Parabéns, Mayanna!
Parabéns, João!
Parabéns, Duda!
Parabéns, Dri!
Parabéns, eu! Parabéns, eu!

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Ela nunca se dera conta de que era possível passar a vida inteira olhando para quem amávamos de um jeito evasivo, indiferente, como se estivesse deliberadamente borrando a visão, até que algo assim acontecia, e então o simples fato de olhar para essa pessoa era apavorante.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Carnavália

Vem pra minha ala
Que hoje a nossa escola vai desfilar
Vem fazer história
Que hoje é dia de glória nesse lugar

Vem comemorar
Escandalizar ninguém
Vem me namorar,
Vou te namorar também

Vamos pra avenida
Desfilar a vida, carnavalizar

Na Portela tem Mocidade
Imperatriz
No Império tem
Uma Vila tão feliz

Beija-Flor vem ver
A porta-bandeira
Na Mangueira tem morenas da Tradição

Sinto a batucada se aproximar
Estou ensaiado para te tocar

Repique tocou, o surdo escutou
E o meu corasamborim

Cuíca gemeu
Será que era eu
Quando ela passou por mim

Lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá
Aonde?

Lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá lá
Me diga, aonde?

Carta para um amor virtual

Não sei bem o que há em ti que me atrai tanto.
Decerto que não tens a beleza 
de um Apolo 
e, no entanto,
não consigo resistir ao conforto do teu colo.
Tampouco é o excesso de testosterona 
que me impressiona. 
Não vislumbro em ti as características
De um macho alfa tradicional: forte, seguro,
Autossuficiente e mantenedor,
Sonho de consumo da mulher supostamente fragilizada,
Dependente e oprimida de antigamente.

Não és especialmente afetuoso ou doce
Nem sensível o suficiente 
Para forjar em mim um átimo de instinto maternal e protetor.
Aliás, te mostras frequentemente egocêntrico,
tinhoso, 
rude e manhoso,
mas isso- como diria Cazuza, faz parte do teu show –
é da leveza da tua essência, e também me cativou!

Não tens, realmente, 
perfil de protagonista de romance. 
Combinas mais com um conto breve, 
Guarneces melhor uma alegoria... 
trazes contigo algo de lúdico 
de lírico, 
de onírico!

Queres saber se te amo?
Não. Não amo a ti, propriamente.
Amo a tua malandragem sedutora,
Amo o que despertas em mim- essa coisa nova de flertar com o pecado 
E as loucuras que me levas a cometer,
Sem medição de discernimento.

Amo a fêmea faminta de espírito libertário
Que se rendeu à força da natureza.
Amo a mulher que tu revelaste -
esta, que manifesta sentimentos, desejos e carências
Com coragem, autenticidade e transparência!

Amo a ideia de estar apaixonada,
A quimera compartilhada,
E a possibilidade de esquecer quem sou
E quem tu és, para vestir a roupa que nos cabe,
Sem maiores pretensões, sem peias, sem conflitos.

Não te quero namorado,
Muito menos esposo;
Nem mesmo sei se te quero amante.
Não me arrisco adoecer a ilusão;
Não me atrevo a pôr nódoas na poesia.
Profaná-la com a crueza da rotina,
e com o desafio das lutas cotidianas 
quebraria o encanto; desfaria a magia!

Contento-me, pois, com a utopia 
Das aventuras românticas - hollywoodianas.
É carnaval, e ultimamente, 
Ando em união estável com a fantasia.

[Walesca Cassunde]

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Matar não quer dizer a gente pegar o revólver de Buck Jones e fazer bum! Não é isso. A gente mata no coração. Vai deixando de querer bem. E um dia a pessoa morreu.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Só um homem poderia ter uma ideia tão cruel, tão essencialmente estúpida e de uma eficiência tão brutal.

sábado, 30 de janeiro de 2016

Havia uma mágoa dolorida tão forte nos seus olhos que, se ele quisesse chorar, não ia poder.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Não espero nada. Assim a gente não fica desapontado.
...e então estavam fazendo aquela coisa louca de “um arrancar as roupas do outro esbarrando nas paredes”, o que nunca se faz quando se está numa relação duradoura porque parece muito dramático e, de qualquer modo, não vale o esforço, especialmente se tem algo bom passando na TV.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Ela sabia que naquele momento não havia crianças mais ali. Todos eram grandes, grandes e tristes, ceando a mesma tristeza aos pedaços.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Sem dúvida estava velha demais para batidinhas de capacete e outros flertes desse tipo. Era casada demais. Ou talvez não.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Aquela estrela

Aquele jeito que você me olhou
Varreu meu pensamento
Todas as coisas saíram do chão
Eu me esqueci de tudo
Antes que eu me desse conta
Já era seu meu querer

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Louras geladas

Disfarça e faz que nem me viu, não me ouviu te chamar
Desfaz assim de mim que nem se faz com qualquer um
Desejava se apaixonar, não consertar uma relação arruinada.
Pobre, pobre Pandora. Zeus a envia para se casar com Epitemeu, um homem não muito inteligente que ela nunca viu, e que tem um misterioso jarro tampado. Ninguém diz a Pandora uma palavra sobre o jarro. Ninguém diz a ela para não abri-lo. Naturalmente, ela o abre. O que mais poderia fazer? Como ela deveria saber que todos aqueles males terríveis se derramariam para atormentar a humanidade até o fim dos tempos, e a única coisa que restaria no jarro seria a esperança? Por que não havia um selo de advertência? Então todo mundo fica dizendo: Ah, Pandora, onde está sua força de vontade? Disseram-lhe para não abrir a caixa, sua bisbilhoteira, sua mulher típica, com uma curiosidade insaciável; agora veja só o que você fez. Quando, para começar, era um jarro, não uma caixa e, além disso — quantas vezes ela teria que repetir? —, ninguém disse uma palavra sobre não abri-lo!

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Sonhei penhascos
Quando havia o jardim aqui ao lado.
Pensei subidas onde não havia rastros.
Extasiada, fodo contigo
Ao invés de ganir diante do nada.

domingo, 17 de janeiro de 2016

Eu não tive nada a não ser uma predisposição feroz para aceitar as coisas como elas são e ir tocando para frente.

sábado, 16 de janeiro de 2016

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Caçada

Varo a noite sem cochilar, aflito
Amanheço imitando o seu grito
Me aproximo rondando a sua toca
E ao me ver você me provoca
...um dia você fará quarenta anos e aos poucos vai perceber que não sente mais os olhares, e a liberdade é um alívio, mas de certa forma também vai sentir faltas deles, e quando um caminhoneiro assobiar enquanto você atravessa a rua, vai pensar: Sério? Pra mim?

O meu amor

O meu amor tem um jeito manso que é só seu
De me fazer rodeios, de me beijar os seios
Me beijar o ventre e me deixar em brasa
Desfruta do meu corpo como se o meu corpo
Fosse a sua casa

Pedaço de mim

Oh, pedaço de mim
Oh, metade arrancada de mim
Leva o vulto teu
Que a saudade é o revés de um parto
A saudade é arrumar o quarto
Do filho que já morreu

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Baihuno

Ao pastor de minha igreja diz que essa ovelha jamais vai ficar branquinha.
Não vendi a alma ao diabo...o diabo viu mau negócio, nisso de comprar a minha.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Depois sentou-se diante da televisão, satisfeito como um assassino que está seguro de ter dado sumiço em todos os indícios do crime.

sábado, 27 de junho de 2015

Mas Montalbano tinha a mente retorcida e uma de suas esquisitices era justamente esta: depois de começar a ler qualquer coisa, artigo, ensaio, romance, era incapaz de deixá-la pela metade, devia prosseguir até o fim.
...em segundos o comissário se viu fora da farmácia e seus olhos funcionaram como câmeras, imprimindo-lhe nítidos fotogramas na mente.

Quando a gente se conheceu tu tinha vinte e um anos e era só isso que tu queria. Mas foi gastando. Talvez se eu tivesse a cabeça um pouco mais aberta. Se eu lesse os livros que tu me dava e gostasse. Se eu mudasse com o tempo. Se me interessasse pelo teu mundo. Se eu fosse um pouco mais parecido com alguém que eu não era.

sábado, 6 de junho de 2015

Ouriço

Que descuido meu
Pisar nos teus espinhos
É essa mania minha
De olhar pro céu
Com a cabeça ao léu
Voando sem asa
Vez ou outra esbarro
Nos móveis da casa
E outra vez tropeço
Nos próprios caminhos

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

17 de janeiro de 2011

"Gosto muito do que vivi, de ter abandonado lugares seguros para não me mediocrizar e isto me faz ser livre. Isto me proporciona conhecer pessoas maravilhosas como você."

domingo, 12 de outubro de 2014

11 de outubro de 2011

"Por trás desta mulher linda, você é umas das pessoas mais inteligentes e espirituosas que já conheci..."

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Um homem chamado Alfredo

Ah! Quanta gente sozinha, 
Que a gente mal adivinha. 
Gente sem vez para amar, 
Gente sem mão para dar, 
Gente que basta um olhar, quase nada

sábado, 7 de junho de 2014

Havia em Bagdá um mercador que enviou seu criado ao mercado para comprar mantimentos, e logo em seguida o criado voltou, pálido e trêmulo, e disse: Mestre, agora pouco quando estava no mercado levei um esbarrão de uma mulher na multidão, e quando virei vi que era a Morte que tinha esbarrado em mim. Ela me olhou e fez um gesto de ameaça; ora, me empreste seu cavalo e vou partir para longe desta cidade e evitar minha sina. Vou para Samarra, e lá a Morte não me encontrará. O mercador lhe emprestou seu cavalo, e o criado montou nele, cravou as esporas em seus flancos e foi o mais depressa que o cavalo podia galopar. Então o mercador foi até o mercado, me viu parada na multidão, veio até mim e disse: Por que você fez um gesto de ameaça para o meu criado quando o viu hoje de manhã ? Não foi um gesto de ameaça, eu disse, foi só um gesto de surpresa. Fiquei desconcertada ao vê-lo em Bagdá, pois eu tinha um encontro marcado com ele hoje à noite em Samarra.

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Lolita [1997]

Apesar de tudo, eu estava no paraíso. Um paraíso cujo céu tinha a cor das chamas do Inferno, mas que não deixava de ser um paraíso.

Lolita [1997]

Eu fiquei olhando para ela. E eu sabia, como claramente sei que eu morrerei, que eu a amava, mais que a qualquer coisa vista, e imaginada sobre a terra.
Ela era só o eco de folha morta da ninfeta de uns tempos atrás, mas eu amava, esta Lolita...

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Você é tudo

E como prova te dou meu corpo
O abrigo mais seguro que podias ter

Lolita [1997]

Te vejo cem por cento melhor quando não te vejo.

Lolita [1997]

Eu me sentia cada vez mais desconfortável. Era um sentimento muito especial. Um constrangimento horrível e opressivo. Como se estivesse ao lado do fantasma de alguém que acabara de matar.

quarta-feira, 19 de março de 2014

Mas não te procuro mais, nem corro atrás. Deixo-te livre para sentir minha falta, se é que faço falta… Tens meu número, na verdade, meu coração, então se sentir vontade de falar comigo ou me ver, me procura você.
Vai menina, fecha os olhos. Solta os cabelos. Joga a vida. Como quem não tem o que perder. Como quem não aposta. Como quem brinca somente. Vai, esquece do mundo. Molha os pés na poça. Mergulha no que te dá vontade. Que a vida não espera por você. Abraça o que te faz sorrir. Sonha que é de graça. Não espere. Promessas vão e vem. Planos, se desfazem. Regras, você as dita. Palavras, o vento leva. Distância, só existe pra quem quer. Sonhos se realizam, ou não. Os olhos se fecham um dia, pra sempre. E o que importa você sabe, menina. É o quão isso te faz sorrir. E só.
Porque a vida segue. Mas o que foi bonito fica com toda a força. Mesmo que a gente tente apagar com outras coisas bonitas ou leves, certos momentos nem o tempo apaga. E a gente lembra. E já não dói mais. Mas dá saudade. Uma saudade que faz os olhos brilharem por alguns segundos e um sorriso escapar volta e meia, quando a cabeça insiste em trazer a tona, o que o coração vive tentando deixar pra trás.
"Quando você passa por um período de infelicidade, um caso de amor terminado, a morte de alguém que ama, ou outra desordem na sua vida, então não existe refúgio a não ser escrever."

(As entrevistas da Paris Review.Volume 2. Tennessee Williams. Ed. Companhia das Letras, p. 158)

Mayombe

É isso o amor. Manter a ternura pelo mesmo homem, embora se deseje outros a momentos diferentes.